Felipe Massa chega aos 35 em sua melhor fase desde acidente de 2009

Por Daniel Médici
O que você está olhando, Felipe?? Piloto caminha pelo paddock do autódromo de Xangai (Johannes Eisele/AFP)
O que você está olhando, Felipe?? Piloto caminha pelo paddock do autódromo de Xangai (Johannes Eisele/AFP)

Na semana passada, Felipe Massa estreou como promotor de corridas. Os competidores foram seu filho, Felipinho, 7, e seu vizinho, o piloto da Red Bull Daniel Ricciardo —ambos moram no mesmo pr√©dio em M√īnaco. Munidos de carrinhos el√©tricos, os dois deram algumas voltas na sala do apartamento do brasileiro.

A ‚Äúcorrida‚ÄĚ, transmitida via Facebook, foi um sucesso: teve 4 milh√Ķes de visualiza√ß√Ķes at√© o momento. O v√≠deo mostra um Felipe Massa tranquilo e brincalh√£o fora das pistas, e reflete bem o bom momento que o brasileiro vive dentro delas.

Com 35 anos completados na √ļltima segunda-feira (25), o piloto se mostra numa √≥tima fase, a melhor de sua carreira,¬†dadas as limita√ß√Ķes da Williams,¬†desde o acidente sofrido em 2009.

X

Nas tr√™s primeiras provas do ano, recebeu a bandeirada¬†bem √† frente do companheiro, Valtteri Bottas —o finland√™s¬†se mostrou muito veloz at√© 2015, mas tem encontrado¬†dificuldade para dosar seu pr√≥prio √≠mpeto¬†neste in√≠cio de 2016.

O¬†principal duelo de Massa, por√©m, n√£o foi com Bottas, mas com Hamilton, nas voltas finais do √ļltimo GP da China. Com muito talento e a¬†frieza de dar inveja a um psicopata,¬†resistiu bravamente √†s investidas do piloto da Mercedes at√© o fim da prova. Foi um dos destaques da corrida em Xangai.

O brasileiro venceu uma corrida na F-1 pela √ļltima vez em 2008, em Interlagos. Aquele ano, quando sagrou-se¬†vice-campe√£o, tamb√©m foi a √ļltima vez em que terminou uma temporada √† frente de um¬†companheiro de equipe.

Talvez por isso seja comum, at√© hoje, que se ou√ßa por a√≠ que Massa nunca mais foi o mesmo depois ‚Äúdaquela mola na cabe√ßa‚ÄĚ nos treinos para o GP da Hungria de 2009.

Ao ser atingido por um pedaço de metal, desgarrado do carro de Rubens Barrichello, Massa perdeu a consciência, bateu, foi mantido em coma, operado de emergência e, apesar da rápida recuperação, não pilotou mais naquela temporada.

Massa n√£o se recorda¬†da pancada que sofreu —o que √© algo normal em acidentes do tipo. Insiste¬†que seu estilo de pilotagem n√£o mudou a partir de ent√£o, e que n√£o carrega sequelas psicol√≥gicas decorrentes do evento.

E provavelmente isso √© verdade. Ap√≥s o desconforto em seus √ļltimos anos de Ferrari —quando dividiu a escuderia com Fernando Alonso—, Felipe tem demonstrado qualidades de um piloto de ponta, eventualmente, desde que desembarcou em Grove. A come√ßar nos GPs da √Āustria de 2014, quando arrancou uma pole position, e do Brasil, no mesmo ano, com um terceiro lugar de lavar a alma. A disputa pelo terceiro lugar com Bottas no GP da It√°lia do ano seguinte tamb√©m ajuda a enterrar a ‚Äúteoria da mola‚ÄĚ.

Mais algumas disputas como a que ocorreu na China, e o episódio da Hungria será definitivamente apagado da memória de muitos outros brasileiros.